Confira boas práticas de copy e SEO para jornalistas

Categorias Marketing de Conteúdo

Do impresso, passando pelo surgimento do rádio, da televisão e da internet, os jornalistas estão sempre precisando se reinventar, à medida que registram a história. A internet fez surgir o jornalismo web e o marketing digital, com ferramentas excelentes para ambos, além de possibilitar a convergência entre esses e outros meios. 

Neste artigo, você vai saber mais sobre as boas práticas de copywriting, SEO e marketing digital que podem acrescentar positivamente à produção jornalística. Além disso, podem enriquecer os currículos dos jornalistas e, com isso, abrir portas profissionais. 

Breve histórico do Jornalismo 

Há relatos sobre publicações informativas desde antes de Cristo, quando no ano 59 a.c, o imperador Júlio Cesar, na Roma Antiga, criou a Acta Diurna, uma publicação diária com comunicados oficiais. Entretanto, foi com a invenção da prensa de Gutemberg, inventor alemão, no século XV, que aconteceu o grande pontapé para o jornalismo moderno.

Essa máquina possibilitou a produção de impressos em escala industrial, por meio de um molde alimentado com tinta, que poderia imprimir inúmeras cópias de um mesmo texto em questão de horas. Assim, com a invenção da imprensa, imprimir e compor livros e jornais passou a ser uma atividade mais prática e rápida. 

O Jornalismo no Brasil

No Brasil, o primeiro jornal a circular foi o Correio Braziliense em 1808, mas era impresso em Londres. Mas não demorou muito para o primeiro periódico impresso em território nacional surgir, e naquele mesmo ano veio o Gazeta do Rio de Janeiro. 

No século XX, o rádio e a televisão revolucionaram a sociedade como um todo, e com o jornalismo não foi diferente. As práticas foram modernizadas, e as notícias passaram a ter voz e rosto. Foi no jornalismo web, contudo, que essas transformações aconteceram de forma mais rápida e continuam acontecendo. 

O primeiro jornal online surgiu em 1995, com o nome ‘Personal Journal’, uma versão digital do The Wall Street Journal. Aqui no Brasil, nesse mesmo ano surgiu o JB Online, o primeiro nacional na internet. A partir desta data foram aparecendo os grandes portais noticiosos, como por exemplo, o UOL em 1996 e, em 2000, o IG.

Desde então, vem acontecendo uma verdadeira revolução continuada. Porque a internet muda, o algoritmo muda, e o jornalismo acompanha as mudanças. Dessa forma, é cada vez mais necessário que os profissionais da área estejam em constante atualização. 

Assim como outros conteúdos digitais, o jornalismo online possui entre as características: audiência de nicho, múltiplos discursos, personalização, interatividade e multimídia e a possibilidade de produção a partir de qualquer computador. Sem contar que o usuário se tornou muito mais próximo dos veículos, sendo o verdadeiro gatekeeper, ou seja, quem define quais assuntos entram em alta, do que a liderança dos jornais. 

Marketing digital e jornalismo 

Existem diversos pontos de convergência entre o marketing digital e o jornalismo online. Estratégias de copy, estratégias para acompanhar assuntos em alta, ações para aparecer no Google, entre outras ferramentas de marketing digital auxiliam jornalistas para melhorar a sua atuação. Vamos explicar alguns desses pontos. 

SEO para jornalistas

No jornalismo web, os buscadores como o Google são como as bancas de jornais, com a diferença de que, ao invés da edição do dia, o usuário visita a página de acordo com o termo que buscou. Por isso, aparecer entre os primeiros resultados desses buscadores de forma orgânica é fundamental para qualquer portal de notícias que deseja ter acessos, ou seja, leitores. É aí que entra o SEO. 

O Search Engine Optimization envolve uma série de fatores aplicados em páginas da web, com o objetivo de fazê-las aparecer nos primeiros resultados das buscas. Desde questões internas de um site, como domínio, até o conteúdo, o SEO busca entender e definir a melhor maneira de destacar aquela empresa no seu setor de atuação. 

Técnicas

Já no desenvolvimento do site, é necessário que a equipe responsável otimize a velocidade, corrija erros de rastreamento e otimize as páginas para os dispositivos móveis. Pois o Google verifica esses pontos na hora de considerar uma página relevante para o ranqueamento.

No conteúdo do site, os títulos, como os h1, h2 e h3 são importantes e devem conter palavras-chave sobre o assunto. Portanto, essas palavras-chave devem ser definidas após pesquisa da concorrência e uso de ferramentas como o planejador de palavras-chave do Google e o Answer The Public, que fornecem ideias de como o público anda pesquisando por determinado assunto.

Outro ponto que o jornalista precisa ficar atento é a meta-description. Trata-se daquele pequeno texto que aparece logo abaixo dos links para os sites no Google. É necessário conter a palavra-chave e dar um breve resumo do que se trata, convidando o leitor a clicar. 

Quanto às imagens, título, legenda e atributo alt devem conter a palavra-chave também. Essa alteração é feita clicando na foto, na hora de acrescentar as imagens à matéria no WordPress. 

Existem no mercado diversos cursos de SEO que os jornalistas podem fazer. Para quem está começando, existem cursos gratuitos, como o da Mirago, que oferecem o conhecimento inicial para otimizar os textos jornalísticos e colocar as suas matérias no topo das buscas do Google. 

Copywriting 

O marketing digital estabelece técnicas de copy para escrever para a internet. Artigos de blog, e-books e outros materiais são escritos de forma bem estruturada e objetiva, de modo a tornar a leitura cativante. Os jornalistas podem e devem se utilizar de algumas dessas técnicas para escrever. 

Entre elas, uma boa introdução, ou seja, um lead que ao mesmo tempo que mostre as informações gerais do texto, despertam no leitor o desejo de continuar lendo a matéria.

Outra dica é distribuir o texto em tópicos. O usuário da internet lê fazendo um escaneamento, buscando as informações principais que deseja. Então é importante que cada tópico esteja bem definido e separado em subtítulos h2 e h3, fazer uso de recursos como negrito e itálico para destacar informações importantes, além de incorporar outras mídias, como imagens, vídeos, áudios e postagens nas redes sociais. 

Storytelling 

O Storytelling é a arte de contar histórias. Nas campanhas de marketing digital e publicidade, a técnica é utilizada para envolver leitores e conquistá-los, por meio de histórias criativas. Como o jornalista trabalha contando histórias, aprender técnicas de storytelling tornam o texto mais interessante, envolvendo o leitor. 

Existem quatro elementos básicos do storytelling, são eles a mensagem, o personagem, o ambiente e o conflito. Apesar de no texto jornalístico nem sempre ser possível utilizar todos, o jornalista pode fazer uso de alguns recursos para tornar a escrita mais leve e criativa, dependendo do assunto, obviamente. 

Em casos de grande complexidade, por exemplo, saber distribuir as informações pela história melhora a compreensão do leitor e evita ruídos na comunicação. 

Jornalismo de dados 

O uso de dados pelas empresas tem crescido nos últimos anos. Por meio deles, as marcas entendem melhor o seu público e tomam decisões mais estratégicas. No jornalismo,  os dados oferecem um panorama da sociedade, incluindo de problemas locais, e podem criar reportagens embasadas. 

Ferramentas como Big Data e Github deixam de ser de uso exclusivo das marcas e entram na rotina dos jornalistas. Inclusive, os jornalistas de dados têm sido profissionais bastante procurados e reconhecidos no mercado, justamente pela capacidade de encontrar, extrair e analisar bancos de dados.

No jornalismo de dados, ao invés de propor um tema de investigação e depois buscar informações, os repórteres analisam acervos de dados e observam tendências que merecem destaque e podem ser exploradas, ajudando a solucionar problemas da população. 

Jornalismo que se transforma e converge

Produzir informação de qualidade é o foco dos jornalistas através dos séculos. As formas de produção, bem como as estratégias de alcançar os leitores é que estão em constante transformação. Com as ferramentas de marketing digital citadas nesse texto, entre outras, os jornalistas passam a criar matérias de forma criativa e estratégica. 

Gostou do artigo? Que tal compartilhá-lo com seus colegas jornalistas para que eles fiquem sabendo? 

A M2BR Academy acredita na evolução do ensino pela realização prática do conhecimento teórico, por isso temos uma metodologia própria desenvolvida sobre PBL (Problem Based Learning), adotado pelas melhores escolas e cursos. Somos entusiastas e realizadores, assim como nossos parceiros e compartilhamos o saber para a formação de um mercado profissional, dinâmico, criativo e inovador dentro do segmento de marketing e mídia digital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.