Novembro Azul e o papel das marcas

Categorias Marca, Marketing Digital

Você já ouviu falar do Novembro Azul? Essa é uma iniciativa muito semelhante ao Outubro Rosa, a campanha que visa trazer atenção para o câncer de mama, conscientizando não somente as mulheres, mas toda a sociedade sobre a prevenção dessa doença. A ideia do Novembro Azul é semelhante, apenas mudando o foco. 

A campanha do décimo primeiro mês do ano é voltada para os homens e o câncer de próstata. Afinal, esse é o segundo tipo de câncer que mais causa morte no público masculino. A estimativa é de que um a cada 9 homens lida com esse problema durante sua vida. 

Então, como esse é um assunto extremamente importante, continue lendo o post. Conheça mais sobre o Novembro Azul e como as marcas podem participar dessa conversa

E, se gostar do post, confira o blog da M2BR Academy para ficar por dentro de todas as tendências do marketing digital. 

O que é o Novembro Azul e como ele chegou no Brasil? 

A analogia com o Outubro Rosa é a forma mais rápida de entender essa campanha. Portanto, o Novembro Azul nada mais é do que uma campanha de conscientização voltada para o público masculino, especificamente de modo a combater o câncer de próstata. 

É uma doença mortal, como vimos acima, mas que envolve polêmicas e tabus. Afinal, a prevenção envolve o exame do toque, que ainda é visto com preconceito por parte dos homens. Para ajudar a quebrar essas barreiras, a campanha foi criada na Austrália, em 2003. 

Apesar de ser extremamente importante e uma boa oportunidade para as marcas iniciarem uma conversa interna e externa, essa campanha ainda não é tão adotada pelas empresas. É o oposto do Outubro Rosa, que já se tornou uma marca tanto na publicidade quanto na sociedade em geral. Então, o que pode ser feito para promover uma conversa sobre esse tema tão importante? 

Como as marcas devem fazer sua parte para incentivar a campanha? 

Ainda que a adesão ao Novembro Azul não seja tão grande quanto a do Outubro Rosa, essa campanha é uma ótima forma de se inspirar para fazer ações que sejam interessantes. Para isso, é importante conscientizar tanto o público interno quanto o externo

Por exemplo, para o público interno é interessante trazer profissionais de saúde ou médicos convidados para conversar sobre o exame e sobre a doença. Começar um diálogo sobre o assunto é um dos pontos mais difíceis e um dos maiores focos da iniciativa. 

Complementando essa visita, a produção de conteúdo é uma ótima forma de educar e promover ainda mais a conversa. Podcasts, eBooks, vídeos e textos informativos ajudam bastante. 

É claro que ainda existe toda a temática da campanha. A facilidade de associar a ideia a uma cor específica é que torna mais fácil trabalhar a identidade visual. Portanto, adotar o esquema de cores já é uma forma de chamar a atenção. 

Para o público externo, você pode se inspirar nas campanhas do Outubro Rosa, pois existem muitas boas ideias por aí. O mais importante é saber adotar uma comunicação que se encaixe bem no seu público alvo. Se o seu público é majoritariamente masculino a conversa é mais fácil. Mas, nada impede de conversar com o público feminino sobre o assunto. Mães, filhas, esposas, namoradas e outras mulheres também têm um papel crucial na campanha. 

Quanto as ideias em si, opções não faltam. Pegando emprestado a ideia acima, adotar a identidade visual da campanha e compartilhar nas redes sociais já é uma ótima forma de começar uma conversa. Também é possível produzir conteúdo, da mesma forma que para o público interno. 

Ações não precisam estar restritas ao ambiente virtual. Caso você tenha uma loja, por exemplo, pode “decorá-la” com as cores da campanha. Se você quiser um pouco a frente, pode fazer uma parceria com instituições de combate ao câncer, fazendo um dia de promoções especiais em que os lucros são revertidos para a causa. 

Como o exame do toque está no centro do tabu e do medo relacionado à doença, o foco nesse tema é essencial. Por exemplo, é possível trazer homens que já fizeram o exame para contar um pouco sobre sua experiência, quebrar o tabu e mostrar que essa preocupação é um completo absurdo. Incentivar o exame para o público alvo é uma ótima forma de fortalecer ainda mais a campanha. 

O Instituto Lado a Lado pela Vida foi quem trouxe essa campanha para o país, ainda sendo uma das principais organizações a promovê-la. Se a sua empresa realmente que entrar de vez na campanha, conversar com eles pode ser uma ótima forma 

Porque é importante que as marcas conversem sobre o Novembro Azul? 

As marcas têm uma grande plataforma para conversar com a audiência. Afinal, é feito um grande investimento em ações de marketing, estabelecendo uma forte presença online e construindo canais de comunicação com o público. É claro que o objetivo disso tudo é trazer retorno financeiro para a organização, mas também permite oportunidades como essa: usar esses canais para fazer o bem. 

As campanhas de conscientização têm um grande impacto positivo. Elas realmente ajudam a salvar vidas, promovendo um diagnóstico precoce de doenças potencialmente muito perigosas. 

Essa é a parte da ideia conhecida como Marketing Social, termo cunhado por Philip Kotler, uma das maiores mentes da administração e marketing modernos. A ideia é usar a estratégia de marketing para promover ações sociais, como é o caso do Novembro Azul. 

Enquanto é claro que participar de campanhas como essas ajuda a promover o bem e melhorar a qualidade de vida da população, elas também fazem bem para a própria imagem da marca. É uma forma de reforçar o branding do negócio, mostrando que é uma empresa que se preocupa com as pessoas, tanto no ambiente interno quanto externo. 

Também é uma forma de iniciar mais uma conversa com o público, gerando mais aproximação e um contato bem positivo para ambos. Agora resta pensar: como sua empresa pode ajudar a promover a conversa no Novembro Azul? 

Gostou do post? Então, assine a newsletter da M2BR Academy para ficar por dentro de todas as novidades do mundo do marketing! 

A M2BR Academy acredita na evolução do ensino pela realização prática do conhecimento teórico, por isso temos uma metodologia própria desenvolvida sobre PBL (Problem Based Learning), adotado pelas melhores escolas e cursos. Somos entusiastas e realizadores, assim como nossos parceiros e compartilhamos o saber para a formação de um mercado profissional, dinâmico, criativo e inovador dentro do segmento de marketing e mídia digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *