Vai um marketing viral aí, moço?

Logo que a internet começou a ser percebida como um “lugar” que podia, de fato, trazer visibilidade e dinheiro, as recém-formadas agências da época foram inundadas de pedidos de orçamento. Eu lembro que recebia alguns como:

“Queria orçar como eu faço pra ganhar dinheiro na internet”
“Quanto custa o marketing viral?”
“Quero um vídeo com 1 milhão de views. Qual o procedimento?”

Havia a percepção de que o digital era o lugar onde se investia pouco e ganhava-se muito. Isso sem qualquer esforço, planejamento ou cuidado com a estratégia dos seus anúncios.

Depois de alguns anos, já percebo que a quantidade de clientes pedindo coisas absurdas diminuiu bastante (pelo menos relacionado à marketing viral), mas ainda vejo muitas dúvidas sobre o tema.

Resumindo, um conteúdo se torna viral quando mistura 3 elementos principais:

Desperta Forte Emoção

Ninguém gosta de vídeos “mornos” ou que fiquem no lugar comum. Um dos melhores termômetros para você saber se o seu vídeo tem potencial de viralidade é se perguntar sinceramente se você encaminharia o link para os seus amigos.

Vocês lembram da Lilly quando descobriu que ia para a Disney?

Todas as vezes que eu passo esse vídeo em sala de aula, metade dos alunos choram e a outra metade disfarça : )

Acontecimentos Inesperados

As pessoas gostam de surpresas! Quando um vídeo, além de despertar algum sentimento forte, também tem um acontecimento inesperado, torna-se ainda mais interessante para a audiência. Lembram da Susan Boyle em sua primeira apresentação no Britain’s Got Talent?

Disseminadores.

Por mais engraçado que os seus vídeos sejam, você precisa dos curadores de conteúdo da internet para acelerar a divulgação. Existem muitos casos, por exemplo, de vídeos que ficam adormecidos no Youtube por anos, até que algum influenciador o divulga para seu público.

Lembram da Rebeca Black, com o Friday? Demorou quase 1 ano até o vídeo estourar.

Temos algum exemplo mais atual de Marketing Viral?

Posso citar 2 casos que aconteceram nessas semanas como exemplos de vídeos virais diferentes, porém que tem esses elementos:

Telekinetic Shop

Superprodução para divulgar o remake do filme Carrie a Estranha. Utilizaram todos os 3 elementos expostos acima e, provavelmente, compraram mídia para atuar como disseminadora inicial. Particularmente eu achei genial a ideia e a execução da produção.

Rei do Camarote

Sem dúvida o Alexander “agregou valor” à Veja SP. Não é possível saber se o editor fez o vídeo e a matéria de “caso pensado”, mas o fato é que o conteúdo é bizarro por si só.

UPDATE: Correm boatos de que foi uma ação viral da Veja SP e do Pânico… Será?

===========

E ai, vai um viralzinho aí moço?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *